Sinal dos tempos?

  • 10 de abril de 2015

Por Miguel Setermbrino E. de Carvalho – pres. Conselho Consultivo SECOVI/DF

Tenho um amigo que diz que sempre quando chega a um país ou a uma cidade que não conhece e deseja saber como caminha a economia local, procura prestar atenção na quantidade de placas de vende-se ou aluga-se imóveis espalhadas pela rua. Se forem muitas, ensina-me, é sinal de que a situação não vai nada bem.

Sorte que esse amigo não frequenta muito Brasília e não corre o risco de se assustar, pois ao passar por certos logradouros da cidade, em especial a W3 Sul, terá a medida exata da hecatombe econômica que nos assola. A outrora principal artéria econômica da cidade é hoje um espantalho do que foi, largada às traças, com centenas de imóveis comerciais fechados, gerando prejuízo e insegurança para a população.

Projetos de revitalização, como o mais recente VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), pensado para a Copa do Mundo (seria um dos legados), vão sendo postergados para as calendas e a via relegada a um abandono que só faz aumentar sua degradação, tornando qualquer recuperação futura muito mais onerosa e, talvez por isso, inviável.
E a situação se espraia para toda a cidade, ao ponto de se alguém dispuser de recursos para comprar um imóvel em Brasília, o momento é mais que propício. E se puder pagar à vista, então, as possibilidades de realizar um excelente negócio aumentam exponencialmente.

Mas, a verdade é que, depois de muito tempo, finalmente o poder de barganha passou para a mão dos compradores, invertendo uma tendência que parecia imutável na capital. Nos dois últimos anos, a queda na venda de apartamentos novos e usados foi da ordem de 12% e a quantidade de lançamentos caiu, principalmente, no Setor Noroeste, que registrou uma queda de 42%.

E agora, aqui e ali já é possível entreouvir trechos de discursos de que a crise econômica atingiu o mercado imobiliário candango, já com força de tsunami e não mais aquela marolinha, e se encarregou de fazer com que os operadores começassem a baixar os preços. Sinal dos tempos?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

VOLUME GERAL DE VENDAS ATÉ ABRIL DE 2022 SUPERA 2021 EM 9,5 BI

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de abril, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF), informa que em 2022 o Volume…

REGIÕES DO DF TÊM VALORES DIFERENCIADOS DO METRO QUADRADO PARA IMÓVEIS USADOS

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de fevereiro, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) aponta que um apartamento de 1…

FEVEREIRO REGISTRA RECORDE DE 3.8 BILHÕES EM VENDAS DE IMÓVEIS

Em 2022, o Volume Geral de Vendas (VGV) de imóveis acumulado até o mês de fevereiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R$ 7,03…

SECOVI/DF CELEBRA POSSE DA NOVA DIRETORIA

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (SECOVI/DF) promoveu um almoço de confraternização para…