SECOVI/DF DIVULGA PRIMEIRO BOLETIM IMOBILIÁRIO DE 2013

  • 4 de março de 2013

Na reunião do COPOM realizada no dia 16 de janeiro, a taxa Selic foi mantida em 7,25% a.a. O Índice de Confiança da Indústria se manteve estável. No Distrito Federal, o Custo Unitário Básico por metro quadrado apresentou variação positiva de 0,12%, atingindo o valor de R$ 954,36, em janeiro.

No mês de janeiro, o IGP-M variou 0,34% e o INCC apresentou aceleração expressiva, de 0,16% em dezembro para 0,65% este mês. O volume total de crédito teve alta de 0,9 ponto percentual, passando a representar 53,5% do PIB. O crédito do setor habitacional representou uma fatia de 11,74% do total de crédito e, portanto, 6,28% do PIB mantendo a trajetória ascendente observada nos últimos meses.

Em janeiro, a oferta de imóveis para comercialização em Brasília foi de 31.827 e, seguindo a tendência a cidade continua a possuir os maiores valores de comercialização de imóveis residenciais do Distrito Federal. O maior valor absoluto de venda na cidade encontra-se no Lago Sul, em casas de dois e quatro dormitórios que chegam a custar 2 milhões e meio de reais . Já o menor valor por metro quadrado é encontrado em casas de condomínio de três dormitórios, no Lago Norte de 2.395 reais.

Acompanhando também a tendência dos meses anteriores, os maiores valores por metro quadrado de salas comerciais são encontrados em Brasília e no Setor de Indústria de 10 mil reais, enquanto os maiores valores para lojas estão em Águas Claras de 650 mil reais.

Em janeiro 7.466 imóveis foram ofertados para locação. Desse número 75,6% são de imóveis residenciais, destacando-se os apartamentos com dois dormitórios e quitinetes, com 18,9% e 20,1% da amostra respectivamente.

Brasília segue apresentando os maiores valores de aluguel por metro quadrado para todos os tipos de imóvel com destaque para as quitinetes. No Guará, as “kits” também se destacaram fechando o mês analisado com alugueis de R$ 775,00.

Uma análise de dados históricos das cidades com maior peso no total de imóveis, bem como o perfil dos mais frequentes na amostra permite a identificação de um padrão nos movimentos dos preços para os últimos seis meses. Assim, podemos constatar que Brasília manteve estáveis os preços para vendas de todos os tipos o que ocorreu também em Águas Claras.

Contato: Cristiane Baker
Assessoria de Imprensa – SECOVI/DF

(61) 8111.3166

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REGIÕES DO DF TÊM VALORES DIFERENCIADOS DO METRO QUADRADO PARA IMÓVEIS USADOS

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de fevereiro, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) aponta que um apartamento de 1…

FEVEREIRO REGISTRA RECORDE DE 3.8 BILHÕES EM VENDAS DE IMÓVEIS

Em 2022, o Volume Geral de Vendas (VGV) de imóveis acumulado até o mês de fevereiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R$ 7,03…

SECOVI/DF CELEBRA POSSE DA NOVA DIRETORIA

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (SECOVI/DF) promoveu um almoço de confraternização para…

VENDA DE IMÓVEIS EM JANEIRO DE 2022 DOBRA EM RELAÇÃO À 2021

O Volume Geral de Vendas (VGV) acumulado até o mês de janeiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R $3,16 bilhões, superando o mês…