SECOVI/DF DIVULGA OS PRIMEIROS DADOS DO MERCADO IMOBILIÁRIO DE 2014

  • 10 de março de 2014

No primeiro mês do ano, o volume total de crédito teve alta de 0,9 ponto percentual, representando 56,5% do PIB – Produto Interno Bruto. O crédito do setor habitacional apareceu com uma fatia de 15,41% do total de crédito, representando 8,22% do PIB e seguindo a trajetória ascendente observada nos meses anteriores.

No mês de janeiro, o total de imóveis ofertados no Distrito Federal foi de 33.563. Os imóveis residenciais representaram 92,5% da amostra para comercialização e 70,9% para locação.

Brasília, novamente, ocupou o “posto” de local com os imóveis mais valorizados no DF, tanto para venda quanto para locação com destaque para o preço do m² de uma quitinete na Asa Sul que chega a 12 mil reais. No Sudoeste, os imóveis apresentaram tendência de alta, representando uma maior valorização da região. Já na Asa Norte, foram observados os menores valores para quitinetes, de 230 mil reais. No que tange ao valor das casas, o Lago Sul apresentou maior valorização do que o Lago Norte, chegando a 2 milhões e 750 mil reais uma casa de 4 dormitórios.

Vale ressaltar, que o Guará apresentou também, em comparação com as demais cidades, os preços mais elevados, um apartamento de 4 dormitórios na região chega a 1 milhão de reais. Já o Cruzeiro, se destaca com os maiores preços por m² das residências de R$ 6.618 para apartamentos de 2 dormitórios.

O Setor de Indústria e Águas Claras vêm logo em seguida, apresentando valorizações em seus imóveis, seguindo a tendência que já se observava em dezembro de 2013, com destaque para o m² de lojas que chegam a R$ 10.175, enquanto Vicente Pires e Sobradinho apresentaram os menores valores de R$ 2.955 e R$ 2.286, respectivamente.

Em relação às salas comerciais, o Setor de Indústria e Brasília apresentaram os imóveis mais valorizados, com valores medianos para venda de R$ 420.000 e R$ 373.122.

Do total de imóveis na amostra para locação, 27,7% corresponderam a imóveis comerciais e 72,3% aos imóveis residenciais.

Brasília continua seguindo a tendência de local mais valorizado entre as cidades analisadas, com os maiores valores para locação. Já, Taguatinga e Ceilândia apareceram com os valores mais baixos na locação de quitinetes de R$ 500 e R$ 400, respectivamente.

Para os imóveis comerciais, Brasília, Águas Claras e Setor de Indústria apresentaram os  maiores valores medianos para locação de lojas bem como para a locação de salas comerciais. Os valores mais baixos para locação de salas comerciais foram verificados em Ceilândia e Taguatinga de até R$ 650. Já em relação às lojas, Vicente Pires e Samambaia apresentam os valores mais baixos para locação de até R$ 2.000.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

VOLUME GERAL DE VENDAS ATÉ ABRIL DE 2022 SUPERA 2021 EM 9,5 BI

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de abril, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF), informa que em 2022 o Volume…

REGIÕES DO DF TÊM VALORES DIFERENCIADOS DO METRO QUADRADO PARA IMÓVEIS USADOS

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de fevereiro, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) aponta que um apartamento de 1…

FEVEREIRO REGISTRA RECORDE DE 3.8 BILHÕES EM VENDAS DE IMÓVEIS

Em 2022, o Volume Geral de Vendas (VGV) de imóveis acumulado até o mês de fevereiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R$ 7,03…

SECOVI/DF CELEBRA POSSE DA NOVA DIRETORIA

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (SECOVI/DF) promoveu um almoço de confraternização para…