SECOVI-DF e FEPLAVE firmam parceria para facilitar a compra de imóvel

  • 21 de maio de 2015

Com as regras mais restritivas para a compra da casa própria, impostas pela Caixa Econômica Federal, e a elevação dos juros para o financiamento de imóveis, outros caminhos acalentam o desejo do brasileiro de sair do aluguel – os consórcios. 

Sintonizado com as dificuldades do consumidor em driblar esse cenário hostil, o Sindicato da Habitação (SECOVI-DF) e a FEPLAVE, empresa  que atua no ramo de venda de cotas de consórcios,  firmaram parceria para facilitar a compra do imóvel. A parceria ajudará a realização de negócios seguros, descomplicados e desburocratizados.  Segundo o presidente do SECOVI-DF, Hiram David, a iniciativa será uma mão amiga a quem sonha com a casa própria. “É uma alternativa para quem foi prejudicado com as novas regras ou não tem urgência em adquirir o imóvel. É uma opção viável e segura. Além disso, traz possibilidade de comissionamento para a empresa imobiliária intermediária, o que vem ao encontro dos objetivos do sindicato de atender a sua base e favorecer a atividade imobiliária”, comemora.

 

As medidas da Caixa Econômica Federal já em vigor afetam os contratos de financiamento de imóveis usados e exigem da maioria dos compradores entrada de pelo menos metade do valor do imóvel para fechar o negócio. Mal o consumidor absorvia as novas regras, o Banco do Brasil anunciou a elevação da taxa de juros para o crédito imobiliário. Segundo o diretor da FEPLAVE, Francisco Ferraz, o consórcio é uma opção, principalmente, em face à situação econômica brasileira.  “A compra programada de imóveis tem conquistado espaço no mercado imobiliário. É, sem dúvida, uma alternativa que vai ganhar, a cada dia, mais adeptos”, afirmou, animado.

Nos consórcios, o participante adquire cota no valor do bem desejado e, por ele, paga parcelas mensais, de acordo com sua capacidade financeira individual ou familiar. Em lugar de juros, é cobrada uma taxa de administração, diluída ao longo do tempo de duração do grupo.  Por sorteio ou lance, todos os meses, há a possibilidade de o consorciado ser contemplado. Além disso, o FGTS pode ser usado para ofertar um lance, complementar um crédito, abater parte das prestações ou liquidar o saldo devedor.

A fórmula exitosa dessa modalidade de crédito pode ser expressa em números. Segundo a Associação Brasileira de Administradores de Consórcios (Abac), os dados de 2015 são animadores. O Sistema de Consórcios fechou o primeiro semestre do ano com o recorde histórico de 6,35 milhões de consorciados ativos no país – um aumento de 8,2%, em comparação ao mesmo período do ano passado. Desde 2009, o mercado de consórcio conta com uma lei federal (Lei 11.795/2008) que trouxe mais transparência ao relacionamento entre o consorciado e as administradoras. Num cenário econômico, cada vez mais restritivo, o SECOVI-DF ajuda o consumidor a planejar e a confiar no futuro.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REGIÕES DO DF TÊM VALORES DIFERENCIADOS DO METRO QUADRADO PARA IMÓVEIS USADOS

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de fevereiro, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) aponta que um apartamento de 1…

FEVEREIRO REGISTRA RECORDE DE 3.8 BILHÕES EM VENDAS DE IMÓVEIS

Em 2022, o Volume Geral de Vendas (VGV) de imóveis acumulado até o mês de fevereiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R$ 7,03…

SECOVI/DF CELEBRA POSSE DA NOVA DIRETORIA

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (SECOVI/DF) promoveu um almoço de confraternização para…

VENDA DE IMÓVEIS EM JANEIRO DE 2022 DOBRA EM RELAÇÃO À 2021

O Volume Geral de Vendas (VGV) acumulado até o mês de janeiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R $3,16 bilhões, superando o mês…