Parceria do CNJ e Cartórios é positiva para o mercado imobiliário

  • 29 de outubro de 2012
Uma parceria entre a Corregedoria Nacional de Justiça e o Colégio Notarial do Brasil, cria a Central Notarial de Serviços Eletrônicos Compartilhados (CENSEC) – banco de dados nacional destinado a reunir informações dos atos lavrados pelos Cartórios de Notas de todo o país.

A Central deverá entrar em funcionamento no mês que vem, conforme o Provimento Nº 18, editado pela Corregedoria que regulamenta o Sistema.

A ideia é que o sistema sirva para monitorar atos de má-fé praticatos por pessoas que utilizam-se de subterfujos para forjar procurações e etc.

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) louva a iniciativa que trará maior segurança para o mercado imobiliário. “Hoje, algumas pessoas lavram procurações em lugares diferentes e valem-se disso para vender um imóvel”, comenta o vice-presidente do SECOVI/DF – Ovídio Maia.

Atualmente, o Colégio Notarial já possui um sistema que reúne dados de atos lavrados por 1.085 cartórios de notas de São Paulo. A Central Notarial prevê a integração de todos os tabeliães de notas e oficiais de registro do Brasil e será alimentada pelos cartórios a cada 15 dias, com informações sobre separações, divórcios,  inventários, testamentos, escrituras e procurações.

No caso dos testamentos, os cartórios deverão repassar à CENSEC os nomes constantes dos testamentos lavrados e respectivas revogações. No que se refere a separações, divórcios e inventários, deverão ser informados o tipo de escritura, a data da lavratura desse ato e o nome por extenso das partes. Com relação às escrituras e procurações, os cartórios deverão repassar os dados das escrituras públicas e procurações públicas ou informação negativa da prática desses atos.

Os tabeliães de notas e oficiais de registro que detenham atribuição notarial também deverão remeter ao Colégio Notarial do Brasil, por meio da CENSEC, os cartões com seus autógrafos e dos seus propostos, autorizados a subscrever traslados e certidões, reconhecimentos de firmas e autenticações de documentos, para permitir que as assinaturas lançadas nos instrumentos apresentados possam ser confrontadas.

Com informações do CNJ

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REGIÕES DO DF TÊM VALORES DIFERENCIADOS DO METRO QUADRADO PARA IMÓVEIS USADOS

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de fevereiro, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) aponta que um apartamento de 1…

FEVEREIRO REGISTRA RECORDE DE 3.8 BILHÕES EM VENDAS DE IMÓVEIS

Em 2022, o Volume Geral de Vendas (VGV) de imóveis acumulado até o mês de fevereiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R$ 7,03…

SECOVI/DF CELEBRA POSSE DA NOVA DIRETORIA

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (SECOVI/DF) promoveu um almoço de confraternização para…

VENDA DE IMÓVEIS EM JANEIRO DE 2022 DOBRA EM RELAÇÃO À 2021

O Volume Geral de Vendas (VGV) acumulado até o mês de janeiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R $3,16 bilhões, superando o mês…