MUDANÇAS NA ECONOMIA NÃO AFETAM O MERCADO IMOBILIÁRIO

  • 31 de julho de 2012
O boletim de conjuntura imobiliária, referente ao mês de maio, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) mostra que o mercado se manteve estável mesmo com as mudanças na economia.
 
O corte sofrido na taxa SELIC e a tendência crescente de inflação, mesmo que em ritmo lento, não afetaram os índices que regem o mercado imobiliário. O Índice de Confiança da Indústria se manteve no mesmo patamar, no mês de maio, com acréscimo de 0,1%. A taxa de desemprego também apresentou pequena queda após a sequência de altas desde o começo do ano.
 
O Distrito Federal apresentou um bom desempenho com elevação no nível médio da Utilização da Capacidade Instalada (UCI – DF) e no faturamento real da indústria. No mês de referência, os índices analisados apresentaram comportamento heterogêneo, dois indicaram crescimento em relação aos resultados de abril, o IGP-M, registrou 1,02% e o INCC, a maior alta do mês com 1,88%.
 
As operações de crédito mantiveram a trajetória ascendente, fechando o mês analisado em 1,2% acima do resultado anterior com expansão de 2,1% no crédito habitacional. Os finaciamentos imobiliários para pessoas físicas totalizaram 16,1 bilhões de reais configurando o maior resultado dos últimos anos.
 
A maior taxa de rentabilidade imobiliária verificada continua sendo para as quitinetes em Águas Claras de 0,45%.
 
Ao analisar a oferta de imóveis residenciais, no período, Brasília se manteve com os maiores preços de venda e aluguel. As cidades de Águas Claras, Cruzeiro e Guará continuaram bem valorizadas tanto para locação como para comercialização.
 
Em relação aos imóveis comerciais, o preço de venda do metro quadro foi maior para salas comerciais e lojas, respectivamente, em Brasília e Águas Claras variando de R$ 5.926 à R$ 10.088.
 
Para o presidente do SECOVI/DF, Carlos Hiram Bentes David, os dados comprovam como o mercado do Distrito Federal é aquecido. “Mesmo com as mudanças na economia, os imóveis continuam bem valorizados na cidade”, afirma.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REGIÕES DO DF TÊM VALORES DIFERENCIADOS DO METRO QUADRADO PARA IMÓVEIS USADOS

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de fevereiro, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) aponta que um apartamento de 1…

FEVEREIRO REGISTRA RECORDE DE 3.8 BILHÕES EM VENDAS DE IMÓVEIS

Em 2022, o Volume Geral de Vendas (VGV) de imóveis acumulado até o mês de fevereiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R$ 7,03…

SECOVI/DF CELEBRA POSSE DA NOVA DIRETORIA

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (SECOVI/DF) promoveu um almoço de confraternização para…

VENDA DE IMÓVEIS EM JANEIRO DE 2022 DOBRA EM RELAÇÃO À 2021

O Volume Geral de Vendas (VGV) acumulado até o mês de janeiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R $3,16 bilhões, superando o mês…