Imóveis de projetos habitacionais da CEF, não preenchem requisitos para usucapião

A Assessoria Jurídica do SECOVI/DF informa que a Sexta Turma do TRF da 1ª Região negou, por unanimidade, provimento à apelação de uma moradora de imóvel da Caixa Econômica Federal (CEF) sobre pedido que objetivava a aquisição, por meio de usucapião, do imóvel onde residia.

Em seu recurso, a autora sustentou que detém a posse do imóvel há mais de cinco anos e que não possui nenhum outro bem. Assim sendo, a apelante defendeu ser possível a ela adquirir a propriedade por meio de usucapião.

Ao analisar o caso, o relator desembargador federal Kassio Nunes Marques, destacou que a parte autora não preencheu os requisitos para fazer jus à aquisição do imóvel via usucapião, que são: tratar-se de área urbana de até 250m ;  posse por no mínimo cinco anos;  posse ininterrupta e sem oposição; ser o imóvel utilizado para moradia do possuidor ou de sua família; não ser o interessado proprietário de outro imóvel urbano ou rural e não se tratar de bem público.

O magistrado destacou jurisprudência do Tribunal no sentido de que “os imóveis integrantes do patrimônio da Caixa Econômica Federal, destinados especificamente para utilização em projetos habitacionais, são submetidos a regime de direito público sendo insuscetíveis de usucapião”.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

SECOVI/DF é favorável à moradias no Setor Comercial Sul

O Projeto de Lei Complementar que autoriza o uso residencial em imóveis comerciais localizados, nas quadras de 1 a 6, do Setor Comercial Sul, foi…

SECOVI/DF distribui máscaras de proteção às empresas associadas

As empresas associadas ao Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) estão recebendo, gratuitamente, máscaras de proteção contra a Covid-19 para seus funcionários e colaboradores.…

Entrevista concedida pelo presidente do SECOVI/DF, Ovídio Maia

Entrevista concedida pelo presidente do SECOVI/DF, Ovídio Maia, ao DF Record sobre a alta dos aluguéis residenciais e a baixa no preço dos imóveis comerciais.…

SECOVI/DF condena reprovação de novo bairro pelo Iphan