Inflação do aluguel desacelera em maio e registra alta de 0,41%

A variação acumulada do IGP-M no ano é de 3,64% e, nos 12 meses até maio, de 4,11%

O resultado do IGP-M de maio ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas do mercado O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), indicador muito utilizado no reajuste de contratos de aluguel, desacelerou de 1,17% em abril para 0,41% em maio, divulgou a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado do IGP-M de maio ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pela Agência Estado, que iam de 0,34% a 0,48%, e ligeiramente acima da mediana encontrada, de 0,40%.

A variação acumulada do IGP-M no ano é de 3,64% e, nos 12 meses até maio, de 4,11%. Entre os três indicadores que compõem o IGP-M, o IPA-M (inflação do atacado) desacelerou de 1,41% em abril para 0,30% em maio. Na mesma base de comparação, o IPC-M (inflação do consumidor) passou de 0,75% para 0,68%. O INCC-M (inflação da contrução civil) recuou, ao sair de 0,65% para 0,45%

A principal contribuição para a desaceleração registrada na inflação ao consumidor veio do grupo Habitação. De abril para maio, Habitação saiu de 1,42% para 0,75%, puxado pelo comportamento do item tarifa de eletricidade residencial (de 6,05% para 1,78%).

As maiores influências de baixa para o IPC na passagem de abril para maio foram tangerina (de 1,99% para -25,03%), gasolina (de -0,01% para -0,61%), mamão papaya (de 16,03% para -12,55%), alface (de 1,37% para -7,03%) e tarifa de telefone residencial (de -0,60% para -0,86%).

Pressão do câmbio. Se o dólar permanecer com o atual ritmo de alta, o câmbio pode voltar a pressionar para cima o IGP-M. A avaliação é da equipe de análise econômica da Gradual Investimentos. Em parte, a desaceleração do indicador de preços da FGV neste mês aconteceu por conta do patamar mais baixo da moeda americana em relação ao real. No período de coleta dos preços, a moeda americana operou em patamar bem mais baixo que os atuais R$ 3,15. Por vários dias, foi negociado abaixo dos R$ 3.

O principal peso para o menor ritmo de apreciação do indicador veio dos preços no atacado. A variação do IPA caiu de 1,41% em abril para 0,30%. Nesse resultado, predominou a queda nos preços dos alimentos in natura que são dolarizados.

Fonte: Estadão

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

SECOVI/DF é favorável à moradias no Setor Comercial Sul

O Projeto de Lei Complementar que autoriza o uso residencial em imóveis comerciais localizados, nas quadras de 1 a 6, do Setor Comercial Sul, foi…

SECOVI/DF distribui máscaras de proteção às empresas associadas

As empresas associadas ao Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) estão recebendo, gratuitamente, máscaras de proteção contra a Covid-19 para seus funcionários e colaboradores.…

Entrevista concedida pelo presidente do SECOVI/DF, Ovídio Maia

Entrevista concedida pelo presidente do SECOVI/DF, Ovídio Maia, ao DF Record sobre a alta dos aluguéis residenciais e a baixa no preço dos imóveis comerciais.…

SECOVI/DF condena reprovação de novo bairro pelo Iphan