Imóveis em Águas Claras têm a maior rentabilidade do DF

  • 8 de abril de 2011

Guará lidera a alta de preço do imóvel com dois dormitórios, que na média subiu R$ 30 mil em fevereiro.

Fonte: Imovelweb
Em Guará, imóveis subiram R$ 30 mil em um mês.

01/04/2011

Distrito Federal – No Boletim de Conjuntura Imobiliária referente ao mês de fevereiro (2011), elaborado pela Econsult para o Sindicato da Habitação no Distrito Federal (Secovi/DF), imóveis localizados na cidade de Águas Claras aparecem com a maior rentabilidade do período (0,47%), seguida por Brasília (0,38%) e Guará (0,29%).

Em fevereiro, a pesquisa analisou 16.046 imóveis destinados à venda, entre residenciais (94% do total) e comerciais. As categorias mais frequentes na amostra foram os apartamentos com três (24%) e dois dormitórios (22%). Participação dos demais tipos: quatro dormitórios, 11%; um dormitório, 9%; quitinete, 6%; outros, 2%. Casas tiveram 26% de presença na amostra.

Comercialização de imóveis residenciais – De acordo com a pesquisa, em fevereiro o preço médio dos apartamentos com dois dormitórios, ofertados para venda no Guará, aumentou cerca de R$ 30 mil em comparação a janeiro, voltando a ultrapassar os valores encontrados em Águas Claras, o que não era observado há dois meses.

Dessa forma, mostra a pesquisa, Guará volta a se apresentar como a segunda cidade mais cara do Distrito Federal, com relação aos dois tipos de imóveis (três e dois dormitórios) mais ofertados pelo mercado, perdendo apenas para Brasília.

“A maioria dos demais valores de venda de imóveis residenciais manteve-se em torno do observado em janeiro. Esta rigidez é compreensível e esperada, uma vez que o mercado imobiliário de vendas depende de vários fatores, e devido ao alto valor dos bens negociados e à burocracia, tem taxa de velocidade de venda baixa, em comparação a outros setores”, conforme a pesquisa.

Imóveis comerciais – Na amostra de fevereiro, foram analisados 1.032 imóveis comerciais (salas e lojas) destinados à venda no Distrito Federal. Preços médios de salas: Brasília, R$ 9.069/m2; Águas claras, R$ 6.477/m2; Samambaia, R$ 4.886/m2.

Quanto aos preços médios de comercialização de lojas, o maior foi verificado em Samambaia, igual a R$ 8.202/m2; Águas Claras, R$ 8.129/m2; Brasília, R$ 5.333/m2. Na comparação de preço entre bairros e em relação a Brasília, o setor Lago Norte aparece como o lugar mais caro nessa categoria de imóvel: R$ 8.684/m2.

Locação – Em fevereiro, a Econsult coletou 2.805 amostras de imóveis para locação, dos quais 1.974 residenciais e 831 comerciais. O Índice Brasileiro Imobiliário da consultoria, que mede o rendimento obtido por locação de imóveis nas diferentes cidades do Distrito Federal, detectou os maiores valores em Águas Claras e Brasília.

Segundo o Índice, a locação de quitinetes em Águas Claras é o investimento com maior retorno (0,48%). Em Brasília, os imóveis mais rentáveis para locação também são as quitinetes, com 0,47% de retorno – patamar superior ao verificado no mês de janeiro para a capital federal.

“A locação de imóveis comporta-se de forma mais dinâmica do que a comercialização, porque se trata de investimento com retorno em menor prazo, maior procura em relação a compra e rapidez de negócio. Além disso, é importante lembrar também a influência do IGP-M nos reajustes dos contratos de aluguéis”, de acordo com os comentários que acompanham a pesquisa.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

CLDF dará prioridade à tramitação do PPCUB

Foto: Nina Quintana O presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), deputado distrital Wellington Luiz (MDB-DF), dará prioridade à discussão…

MERCADO IMOBILIÁRIO DO DF MOVIMENTOU 17,35 BILHÕES EM 2023

O Boletim de Conjuntura Imobiliária divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) apurou que o segmento de revenda (mercado secundário) movimentou R$ 17,35…

PPCUB É APROVADO APÓS 11 ANOS DE DEBATE

O PPCUB - Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília - principal instrumento de política urbana de Brasília, tombado nas instâncias distrital e federal…

SECOVI/DF participou do lançamento do Balcão Único e da sanção da Lei de parcelamento do solo

Da esquerda para a direita: Ovídio Maia, presidente do SECOVI/DF; Marcelo Vaz, Secretário de Habitação (SEDUH) e José Aparecido - presidente…