EMPRESÁRIOS E SETOR PRODUTIVO SE UNEM POR BRASÍLIA

  • 22 de maio de 2015

Por uma Brasília sem crise, o SECOVI-DF uniu-se a entidades representativas do setor produtivo na busca de alternativas que levem ao aquecimento da economia do Distrito Federal. Empresários do comércio, da construção civil, do mercado imobiliário e atacadistas reuniram-se com grupo de deputados distritais para discutir os planos de modernização da gestão pública do DF, anunciados pelo governador Rodrigo Rollemberg. O objetivo do grupo é o de construir um pacto paralelo ao proposto pelo chefe do Executivo.

Com essa iniciativa, parlamentares e empresários buscarão saídas para a crise financeira do Distrito Federal que passem ao largo do aumento de alíquotas de impostos, antes, tragam de volta, investimentos e geração de empregos.

Como fruto da união entre entidades do setor produtivo e deputados, os distritais criaram a Frente Parlamentar Brasília Sem Crise, composta por integrantes da oposição e da base aliada. O colegiado comprometeu-se a avaliar os impactos das medidas propostas pelo governador Rollemberg antes de apoiar iniciativas que tragam mais encargos ao setor produtivo.

Em coro, o aumento de arrecadação foi descartado como palavra de ordem da difícil luta de reequilibrar as combalidas finanças do DF. Para empresários e parlamentares, a conta dos desmandos financeiros, deixada pelo governo anterior, não pode recair sobre o cidadão. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), o brasileiro gasta uma média de 150 dias de trabalho, por ano, somente para pagar impostos.

Empresários e deputados comungaram ainda da percepção de que é inconcebível que o governo local sufoque mais ainda aqueles que produzem e alavancam a economia do país. Na avaliação do setor, qualquer ajuste deve levar em conta a alta carga tributária, que, inevitavelmente, leva à perda de competitividade.

Nesta segunda-feira, os distritais se reunirão com representantes do setor produtivo para começar a discutir a atuação da frente parlamentar. Se, por um lado, o governo passa a sensação de paralisia, o que enfraquece qualquer tentativa de superar a crise financeira, o momento é de união, por uma Brasília moderna e economicamente viável.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

VOLUME GERAL DE VENDAS ATÉ ABRIL DE 2022 SUPERA 2021 EM 9,5 BI

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de abril, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF), informa que em 2022 o Volume…

REGIÕES DO DF TÊM VALORES DIFERENCIADOS DO METRO QUADRADO PARA IMÓVEIS USADOS

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de fevereiro, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) aponta que um apartamento de 1…

FEVEREIRO REGISTRA RECORDE DE 3.8 BILHÕES EM VENDAS DE IMÓVEIS

Em 2022, o Volume Geral de Vendas (VGV) de imóveis acumulado até o mês de fevereiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R$ 7,03…

SECOVI/DF CELEBRA POSSE DA NOVA DIRETORIA

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (SECOVI/DF) promoveu um almoço de confraternização para…