Desaceleração do mercado imobiliário obriga proprietários a darem desconto maior para fechar negócio

  • 21 de maio de 2015

Levantamento da FipeZap revelou que abatimento médio foi de 7,5%, superior à média anterior, de 6,5%

RIO – Com a desaceleração do mercado imobiliário, os proprietários de imóveis estão sendo obrigados a dar um desconto maior na negociação para conseguir vender. Levantamento da FipeZap revelou que, nos últimos 12 meses terminados em março, os imóveis tiveram descontos de 7,5%, em média, no momento da venda, superior à média histórica de 7%.

O percentual acumulado até o fim do primeiro trimestre do ano também ficou acima dos descontos médios de 6,5% nos 12 meses terminados em dezembro de 2013. Apenas 27% das pessoas que compraram casas ou apartamentos no último ano declararam não ter conseguido qualquer redução de preço, segundo a pesquisa Raio-X FipeZap, que analisa o perfil da demanda de imóveis no país.

A combinação entre desaceleração da economia, a alta dos juros e a renda em queda também fez com que diminuísse a parcela de brasileiros interessados em investir em imóveis. Apenas 37% dos que compraram imóveis nos últimos 12 meses o fizeram com intenção de revenda ou aluguel, o menor patamar desde que o levantamento começou a ser feito. A queda se deve, principalmente, à diminuição do investimento para revenda.

A maior parte dos compradores pretende utilizar o imóvel para residência, seja para morar sozinho (43%) ou para dividir (10%). Outros 10% declararam ter comprado um imóvel para que outra pessoa morasse.

EXPECTATIVA DE QUEDA

Pela primeira vez desde que o questionário começou a ser aplicado, a maior parte dos entrevistados (55%) declarou esperar queda de preços dos imóveis nos próximos 12 meses. Entre os que compraram imóveis nos últimos 12 meses, 75% acreditam que os valores estão altos ou muito altos. Já entre quem pretende aduquirir um imóvel, 47% afirfam que os preços estão muito altos e 40% consideram os valores altos.

Menos de 5% dos que compraram imóveis nos últimos 12 meses ou pretendem comprar acreditam que os preços estão baixos ou muito baixos

A maioria dos compradores ainda optou por imóveis usados (59%), um mercado, de fato, maior que o de lançamentos. Porém, metade dos que pretendem comprar algum imóvel nos próximos três meses declarou-se indiferente entre a aquisição de um imóvel novo ou usado.

Foram entrevistadas 1.564 pessoas em todos estados do Brasil entre 8 e 25 de abril para a pesquisa.

Por O Globo

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

VOLUME GERAL DE VENDAS ATÉ ABRIL DE 2022 SUPERA 2021 EM 9,5 BI

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de abril, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF), informa que em 2022 o Volume…

REGIÕES DO DF TÊM VALORES DIFERENCIADOS DO METRO QUADRADO PARA IMÓVEIS USADOS

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de fevereiro, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) aponta que um apartamento de 1…

FEVEREIRO REGISTRA RECORDE DE 3.8 BILHÕES EM VENDAS DE IMÓVEIS

Em 2022, o Volume Geral de Vendas (VGV) de imóveis acumulado até o mês de fevereiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R$ 7,03…

SECOVI/DF CELEBRA POSSE DA NOVA DIRETORIA

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (SECOVI/DF) promoveu um almoço de confraternização para…