CRISE MUNDIAL NÃO AFETA O MERCADO IMOBILIÁRIO

  • 25 de outubro de 2011
Muito se tem especulado a respeito da influência que a crise mundial terá sobre a economia brasileira e, em especial, sobre o nosso mercado imobiliário.

É importante que em momentos de incerteza tenhamos uma visão geral para que possamos tomar decisões mais assertivas. Portanto, seguem algumas considerações:

Frequentemente, a nossa economia tem sido posta à prova. Os resultados industriais e o segmento de serviços vêm demonstrando desaquecimento nos últimos meses. Como reflexo dessa situação, as expectativas da economia também não mantêm os altos patamares que alcançaram na pós-crise de 2008 e os índices de confiança tanto das famílias quanto das empresas apresentam trajetória de queda nos meses mais recentes.

No entanto, o setor imobiliário se destaca diante das incertezas. É um mercado que, historicamente, possui um bom grau de previsibilidade que envolve riscos muito menores quando comparado a outros investimentos e ganha atratividade em um ambiente em que as pessoas estão preocupadas em conservar seu patrimônio.

Nos últimos anos, o mercado de imóveis foi significativamente ajudado pelo aumento da renda da população, pela estabilidade econômica e, principalmente, pelo desenvolvimento do  crédito imobiliário. Esse mercado de crédito continua evoluindo e a despeito das preocupações a relação do crédito imobiliário com a proporção do Produto Interno Bruto vem crescendo acima  dos outros setores: em julho a evolução foi de 3,5% em relação à junho, enquanto o setor de serviços avançou 1,8% e o de comércio apenas 1,1%. Essa percepção  fica mais clara quando a comparamos em uma linha de tempo maior. De acordo com dados do Banco Central, a relação crédito imobiliário/PIB foi de 4,56% em agosto desse ano contra 1,92% no mesmo mês de 2008.

O prognóstico para o mercado de crédito, também, é favorável no médio prazo por conta  da  tendência de queda da taxa de juros e pela qualidade da regulamentação brasileira que assegura  solidez ao processo de expansão.

Considerando o crescimento da rentabilidade dos imóveis,  o aumento da demanda por moradia própria e as políticas ativas do governo que atacam tanto o desaquecimento da atividade quanto as condições específicas de financiamento imobiliário , temos um quadro que demonstra razões suficientes para manter o mercado imobiliário em uma posição vantajosa entre as demais opções de investimento.   

Ademais, participamos de uma economia que notadamente contou com a demanda interna como um dos principais vetores de crescimento recente e tudo indica que esse rumo será mantido.

Amparado pela certeza de que o investimento em imóveis é o mais seguro, traz alta valorização e rentabilidade, o SECOVI acredita que o mercado imobiliário continuará obtendo ótimos resultados para as empresas que aqui investem!!!

Carlos Hiram Bentes David – Presidente do SECOVI-DF

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REGIÕES DO DF TÊM VALORES DIFERENCIADOS DO METRO QUADRADO PARA IMÓVEIS USADOS

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de fevereiro, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) aponta que um apartamento de 1…

FEVEREIRO REGISTRA RECORDE DE 3.8 BILHÕES EM VENDAS DE IMÓVEIS

Em 2022, o Volume Geral de Vendas (VGV) de imóveis acumulado até o mês de fevereiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R$ 7,03…

SECOVI/DF CELEBRA POSSE DA NOVA DIRETORIA

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (SECOVI/DF) promoveu um almoço de confraternização para…

VENDA DE IMÓVEIS EM JANEIRO DE 2022 DOBRA EM RELAÇÃO À 2021

O Volume Geral de Vendas (VGV) acumulado até o mês de janeiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R $3,16 bilhões, superando o mês…