CNJ recomenda Certidão Negativa em transações com imóveis

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) através de sua Corregedoria publicou a Recomendação Nº 3 para que tabeliães de notas cientifiquem as partes envolvidas em transações imobiliárias e partilhas de bens imóveis sobre a possibilidade de obtenção da Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT). O objetivo é estender a efetividade da CNDT a situações além da prevista na Lei 12.440/2011, que exige sua apresentação pelas empresas interessadas em participar de licitações públicas.

A Recomendação reforça o papel da CNDT como instrumento de combate às fraudes à execução, geralmente configuradas por meio da venda de imóveis e da transferência de bens para cônjuges para evitar sua penhora para pagamento de dívidas trabalhistas. “A maior transparência sobre a real situação jurídica dos alienantes contribui para que sejam evitadas discussões sobre eventuais fraudes à discussão”, afirma a Ministra Eliana Calmon na recomendação.
Para o secretário-geral da presidência do Tribunal Superior do Trabalho (TST), juiz Rubens Curado Silveira, a apresentação da CNDT nessas situações dá segurança aos compradores de boa-fé que até agora não tinham um instrumento nacional para saber se o vendedor tinha dívidas perante a Justiça do Trabalho. Por isso, poderia ser surpreendido, depois do negócio ou da transferência do imóvel numa separação, por uma decisão judicial decretando sua nulidade, em função da fraude.

Segundo a resolução, o princípio constitucional da segurança jurídica contempla a necessidade de o Estado propiciar instrumentos para garantia do cidadão, a ser prestigiada pelo Judiciário, pelos serviços auxiliares e pelos agentes dos serviços notariais, ressalta ainda a amplitude nacional da CNDT que pode ser emitida gratuitamente no site do TST.

Fraudes
A jurisprudência do TST considera fraude à execução os casos em que, na existência de um processo em andamento que possa levar o empregador à insolvência, ele aliena bens para evitar a sua perda – simulando sua venda para um terceiro ou transferindo-o para o ex-cônjuge num processo de separação judicial realizado com esta finalidade. Há casos, ainda, em que a transação é feita regularmente com um comprador “desavisado”, que mais tarde pode ter de provar judicialmente que adquiriu o imóvel de boa-fé.

Nesses casos, a existência da certidão emitida pela Justiça do Trabalho atestando a existência de dívidas, embora não impeça a conclusão da transação, permitirá ao comprador fazê-la ciente dos riscos e implicações que podem recair sobre o imóvel.

Fonte: TST

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Empresas Associadas ao SECOVI/DF terão direito à Clínica de Saúde Popular

A Fecomércio-DF divulgou, nesta semana, que daqui há 2 meses será inaugurada uma clínica de saúde com preços populares para atender as empresas da base…

LIVE – Revitalização do SCS (Dia 01/10 – 10h)

Há anos o Setor Comercial Sul (SCS) pede mais atenção de Brasília. Estamos ansiosos pela revitalização da região e queremos contribuir para que essa nova…

DADOS COMPROVAM A CONTÍNUA ALTA DO SETOR IMOBILIÁRIO

Os números do setor imobiliário divulgados pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) no Boletim de Conjuntura de setembro com amostra referente à agosto…

Projeto de revitalização do Gama é aprovado

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) participou, ativamente, da aprovação do projeto de revitalização do Gama no Conselho de Planejamento Territorial e Urbano…