BANCO É PROIBIDO DE RETOMAR APARTAMENTO POR DÍVIDA DA CONSTRUTORA

Atualmente, quando a construtora deixa de pagar alguma parte da dívida que faz junto ao banco para construir um determinado empreendimento é comum que o banco notifique os compradores dos apartamentos ou casas que foram construídos de que vai retomar os imóveis se eles não pagarem a dívida da construtora, negando-se também a liberar carta de quitação mesmo para aqueles consumidores que já tenham quitado a dívida do imóvel junto à construtora.

Segundo o  presidente do Instituto de Defesa do Consumidor (IBEDEC), José Geraldo Tardin, a conduta é abusiva por parte dos bancos e o consumidor não deve deixar se intimidar pelas cobranças e recorrer ao Judiciário, caso haja, alguma notificação de retomada do imóvel.

A Súmula 308 do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deixa claro que a eventual hipoteca firmada pela construtora em favor do banco é ineficaz em relação ao comprador do imóvel.

No Distrito Federal, o Banco de Brasília (BRB) vem pressionando compradores de imóveis da Construtora Argus, sobre suposta dívida existente entre o banco e a construtora, notificando os compradores dos apartamentos de que iria retomar os imóveis.

A situação é tamanha que mesmo uma consumidora que já quitou seu imóvel com a construtora em um determinado Condomínio na capital foi notificada que teria o imóvel retomado pelo BRB.

Ela recorreu à justiça e através de decisão do juiz Giordano Resende Costa, da 6ª Vara de Fazenda Pública do Distrito Federal, conseguiu impedir o BRB de tomar-lhe o imóvel. Na decisão, o juiz  destaca que “o cerne da questão é que os dois empresários que figuram no pólo passivo, com o intuito de auferir vantagens e lucro, pactuaram um contrato de empréstimo bancário, sendo ofertados os imóveis a serem construídos e vendidos como garantia. Ocorre que as partes sabiam que estes imóveis seriam vendidos para terceiras pessoas (consumidores de modo em geral), tanto que no próprio contrato de financiamento há expressa previsão neste sentido. Esta situação engendrada pelas partes cria um mecanismo pernicioso e perigoso para os direitos do consumidor, que no caso em apreço é terceiro de boa-fé, assim como demonstra ser um abuso de direito, pois o credor fiduciário irá satisfazer o seu direito utilizando não o patrimônio do devedor, mas sim de terceira pessoa de boa-fé.”

Serviço

O IBEDEC informa que quem estiver passando por problemas semelhantes aos relatados deve procurar o banco para buscar a liberação da hipoteca e não deve aceitar pagar qualquer quantia fora do pactuado no contrato.

Quando ainda houver parcelas pendentes de pagamento, o consumidor deve resguardar-se através de uma ação de consignação em pagamento judicial, para que a Justiça decida se quem deve receber as parcelas faltantes do contrato é a construtora ou o banco.

Caso o banco ameace ou notifique o consumidor sobre eventual retomada do imóvel, o consumidor deve recorrer ao Judiciário para impedir a ilegalidade do banco e obter a liberação da hipoteca e eventual indenização por prejuízos sofridos em relação à negócios desfeitos ou impossibilidade de entrar e usar o imóvel.

O IBEDEC dá orientações gratuitas a todos os consumidores através do site www.ibedec.org.br ou pelo telefone (61) 3345-2492

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

SECOVI/DF é favorável à moradias no Setor Comercial Sul

O Projeto de Lei Complementar que autoriza o uso residencial em imóveis comerciais localizados, nas quadras de 1 a 6, do Setor Comercial Sul, foi…

SECOVI/DF distribui máscaras de proteção às empresas associadas

As empresas associadas ao Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) estão recebendo, gratuitamente, máscaras de proteção contra a Covid-19 para seus funcionários e colaboradores.…

Entrevista concedida pelo presidente do SECOVI/DF, Ovídio Maia

Entrevista concedida pelo presidente do SECOVI/DF, Ovídio Maia, ao DF Record sobre a alta dos aluguéis residenciais e a baixa no preço dos imóveis comerciais.…

SECOVI/DF condena reprovação de novo bairro pelo Iphan