Banco do Brasil eleva taxa de juros para o crédito imobiliário

Uma semana depois da Caixa Econômica Federal, é a vez do Banco do Brasil deixar mais caro o financiamento para quem vai comprar a casa própria. Com a medida, a taxa de juros máxima será elevada de 9,9% ao ano, mais a TR, para 10,4%, também acrescida da variação da TR. A entrada mínima foi mantida em 20% e o prazo máximo de financiamento foi elevado de 360 meses (30 anos) para 420 meses (35 anos). As mudanças vão entrar em vigor a partir do próximo dia 18.  O Banco do Brasil também aumentou, na mesma proporção, os financiamentos feitos na carteira hipotecária, que incluem imóveis entre R$ 750 e R$ 10 milhões. As taxas para as demais linhas foram mantidas. Em nota, o banco informou que o aumento dos juros foi necessário para compensar os maiores custos de captação. Na avaliação do presidente do Secovi-DF, Carlos Hiram Bentes David,  a iniciativa do Banco do Brasil já era esperada e vão gerar um efeito cascata. “As  mudanças promovidas pela Caixa abriram espaço para os demais bancos reajustarem suas taxas. Na prática, quem não tiver disponíveis os 50% de entrada exigidos pela Caixa, terá que buscar outras instituições bancárias”, constatou.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Projeto de revitalização do Gama é aprovado

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) participou, ativamente, da aprovação do projeto de revitalização do Gama no Conselho de Planejamento Territorial e Urbano…

SECOVI/DF é favorável à moradias no Setor Comercial Sul

O Projeto de Lei Complementar que autoriza o uso residencial em imóveis comerciais localizados, nas quadras de 1 a 6, do Setor Comercial Sul, foi…

SECOVI/DF distribui máscaras de proteção às empresas associadas

As empresas associadas ao Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) estão recebendo, gratuitamente, máscaras de proteção contra a Covid-19 para seus funcionários e colaboradores.…

Entrevista concedida pelo presidente do SECOVI/DF, Ovídio Maia

Entrevista concedida pelo presidente do SECOVI/DF, Ovídio Maia, ao DF Record sobre a alta dos aluguéis residenciais e a baixa no preço dos imóveis comerciais.…