A Brasília que todos nós queremos

  • 2 de dezembro de 2013

Quem tem acompanhado pela imprensa as discussões envolvendo a votação na Câmara Legislativa do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCub), com certeza já deve ter eleito a especulação imobiliária, e por consequência o mercado como um todo, como o grande vilão nessa história, interessado apenas em lucros exorbitantes, pouco se lixando para a preservação do patrimônio da nossa capital.

Algumas das medidas inseridas no projeto enviado à Câmara Legislativa realmente desfiguram as propostas urbanísticas inovadoras de Brasília e põe em risco seu conjunto arquitetônico, como é o caso do loteamento do Eixo Monumental, por exemplo. Outras padecem da falta de uma discussão mais aprofundada, pois temas de tal magnitude e impacto na vida e no futuro de nossa cidade devem ser debatidos à exaustão e, caso aprovados, ou rejeitados, devem ser fruto de um amplo e democrático entendimento.

Não tenho a intenção de defender ou acusar quem quer que seja, apenas afirmo com convicção que a maioria esmagadora do segmento imobiliário candango luta pela manutenção das características revolucionárias de Brasília e pela manutenção de sua qualidade de vida, afinal, este é o nosso maior patrimônio e que por suas características únicas alcançou também o status de patrimônio cultural da humanidade.

Para o mercado imobiliário, a perda desse reconhecimento implicaria em graves perdas e grande desvalorização de tudo que foi construído até então. Portanto, não acredito que àqueles que tanto lutaram pela consolidação da capital, por conta de lucros extemporâneos, colocariam tudo a perder.

Na verdade, o que tem sido pouco discutido, são as grandes dificuldades que os agentes do mercado imobiliário têm encontrado para trabalhar dentro da legalidade, apoiados em seus reconhecidos preceitos de profissionalismo. As dificuldades colocadas no caminho de quem quer empreender no Distrito Federal tem sido enormes e vão desde a dificuldade quase incontornável de se conseguir um alvará, até o não cumprimento das ações acordadas em Parcerias Público Privadas e que vêm inviabilizando projetos importantíssimos como é o caso do Setor Mangueiral e do Setor Noroeste, onde as obras de infraestrutura simplesmente não avançam.

Portanto, a Brasília que todos nós queremos não pode fiar à mercê de interesses escusos e inconfessáveis. Essa sim, é uma boa luta!!!

 

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

VENDA DE IMÓVEIS EM NOVEMBRO DE 2021 FOI 40% MAIOR DO QUE EM 2020

O Boletim de Conjuntura Imobiliária de dezembro divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) informa que segundo dados da ANOREG (Associação dos Notários…

SECOVI/DF CRIA A VICE-PRESIDÊNCIA DE LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) criou a Vice-Presidência Extraordinária de Lançamentos Imobiliários e empossou o empresário do setor, Rogerio Oliveira. De acordo…

VENDA DE IMÓVEIS SUPERA 2 BILHÕES EM OUTUBRO

O Boletim de Conjuntura Imobiliária divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) aponta que a variação do Volume Geral de Vendas, o VGV,…

Mercado Imobiliário do DF supera 15 bilhões em venda de imóveis em 2021

O Boletim de Conjuntura Imobiliária divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) informa com base nos dados do Sistema Integral de Gestão Governamental…