2ª CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL NEGA DEVOLUÇÃO DE COMISSÃO DE CORRETAGEM

A 2ª Câmara do Tribunal de Justiça do Distrito Federal entendeu que é devido o pagamento de comissão de corretagem pelos adquirentes quando houver cláusula contratual dispondo sobre os serviços prestados.

Portanto, para que tenha validade, pode constar de contrato de compra e venda, de contrato de corretagem ou até de outro documento assinado pelo comprador, demonstrando a ciência e a concordância deste, nos termos do art. 724 do Código Civil Brasileiro.

É fundamental ressaltar, que essa é uma grande vitória para o mercado imobiliário brasiliense, pois todo serviço merece uma justa contraprestação e os agentes de corretagem não devem ficar alijados de receberem suas comissões que podem ser pagas pelo comprador (mediante dedução do valor total combinado) ou pelo vendedor, conforme permissivos legais.

Com informações da Tribuna Imobiliária

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

SECOVI/DF informa: MPT confirma benefícios somente para associados

A Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região sob a égide da Lei 13.467/2017, a nova legislação trabalhista, confirma que benefícios como: vale-alimentação, vale-transporte, Participação…

ITBI TEM ALTA DE 70,8% EM OUTUBRO NA VENDA DE IMÓVEIS NO DF

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) informa que o mercado imobiliário segue em contínua alta, mesmo em época de pandemia, registrando uma variação…

SECOVI/DF – NOTA DE FALECIMENTO

É com imenso pesar que o Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) comunica o falecimento de Pablo Balduíno de Magalhães, sócio-diretor da Imobiliária Atendeu,…

CONPLAN APROVA REVISÃO DA LUOS

O Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do DF (Conplan) aprovou, por unanimidade, a minuta do projeto de lei complementar de revisão da Lei de…