Maioria dos imóveis usados ainda é comprada à vista

Segundo pesquisa do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (CRECI/SP), apesar da crescente oferta de crédito imobiliário, financiar a compra de um imóvel usado ainda é demorado e tem muitas restrições.

Na capital paulista, dos 211 imóveis usados comercializados, em fevereiro, 74,76% foram negociados à vista. Os financiamentos da Caixa Econômica Federal responderam por 20,39% dos negócios, enquanto os demais bancos ficaram com 4,85% do mercado.

O CRECI/SP considera que o processo de contratar financiamento para imóvel usado ainda é demorado e passa por uma série de restrições. Por conta disso, muitos proprietários se recusam a aceitar venda financiada, o que prejudica o mercado.

Um dos maiores entraves é a documentação do imóvel e a demora na avaliação.

De acordo com números apurados pelo CRECI/SP em 413 imobiliárias da capital houve um salto de 39,97% nas vendas, puxado pelos apartamentos que totalizaram 74,88% das transações. Os imóveis mais vendidos foram os de valor superior a R$200 mil, com 45,63% do total.

Aumento na locação – A pesquisa do CRECI/SP verificou também que o índice de locação evoluiu de 1,6125 em janeiro para 1,9201 em fevereiro. Os imóveis mais alugados foram os na faixa de até R$ 800,00 mensais. O aluguel que mais aumentou foi o de apartamentos de três quartos que passou de R$1.200,00 para R$2.076,92, a contrapartida ficou com as casas de três quartos onde o aluguel médio baixou 32,79%.

Vale ressaltar que a forma de garantia adotada na maioria das locações foi o fiador (52,62% do total de contratos), seguido pelo depósito de três meses do aluguel (23,97%) e pelo seguro de fiança locatícia (23,41%). A inadimplência apresentou redução de 2,44% em relação a janeiro.

Mesmo com esses dados, a Caixa Econômica Federal acredita que baterá um novo recorde de  financiamento imobiliário durante o Feirão da Casa Própria que acontece em todo o país até o dia 11 de junho.

Segundo a Caixa durante o evento serão oferecidos 450 mil imóveis entre novos, usados ou na planta.

O presidente do Sindicato da Habitação no Distrito Federal (SECOVI/DF), Carlos Hiram Bentes David, acredita que os imóveis até R$ 220 mil serão os mais vendidos durante o Feirão da Caixa que começou esta semana em São Paulo. “Os imóveis nessa faixa de preço são os que possuem os maiores subsídios ofertados pela Caixa Econômica Federal”, explica.

Em Brasília, o Feirão acontecerá entre os dias 20 a 23 de maio, no Expo Brasília.

O SECOVI/DF estará presente com muitas novidades para o setor imobiliário.  Confiram!!!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sindicato da Habitação do DF assina acordo com entidade dos trabalhadores para manter empregos no setor

Com o objetivo de minimizar o avanço do novo coronavírus e tentar diminuir os impactos negativos no setor, além de visar a segurança jurídica do…

Secovi-DF orienta imobiliárias sobre o retorno às atividades

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) alerta os empresários do setor imobiliário sobre as medidas que devem ser adotadas nessa volta ao trabalho…

GUIA PRÁTICO DO CORRETOR DE IMÓVEIS DURANTE A PANDEMIA

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) divulga o “Guia Prático do Corretor de Imóveis” com ferramentas e formas de ajudar a todos do…

CAIXA amplia medidas para o mercado imobiliário durante pandemia

A Caixa Econômica Federal anunciou novas medidas de proteção e estímulo ao setor imobiliário injetando cerca de R$ 43 bilhões de recursos na economia que…