Greve dos caminhoneiros prejudica recuperação da indústria, conforme CNI

O desabastecimento causado pela paralisação dos serviços de transporte em maio afetou significativamente o desempenho da indústria. Todos os indicadores registraram queda. Os dados são da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O faturamento médio real sofreu queda excepcional, de 16,7%, descontados os efeitos sazonais. Frente ao mesmo mês de 2017, o recuo foi de 13,8% (em abril, essa mesma comparação mostrava aumento de 12,2%). A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) apresentou o menor percentual mensal desde 2003 e ficou em 75,9%, uma queda de 2,2 pontos percentuais na comparação com abril.

O emprego industrial também apresentou recuo de 0,6% em maio na comparação com abril, na série dessazonalizada. A queda é a primeira após sete meses de moderado crescimento e reverte todo o crescimento registrado em 2018. Na comparação com maio de 2017, o emprego aumenta 0,6%.

As horas trabalhadas na produção caíram 2,4% em maio após o ajuste sazonal. Na comparação com maio de 2017, as horas trabalhadas recuaram 1,1% (em abril, a mesma comparação apontava crescimento de 4,4%).

Informações da CNI