Concessão de lotes pode ser alterada

O governo do Distrito Federal estuda uma alteração na forma de concessão e legalização dos terrenos doados por meio do programa de habitação. Um documento, elaborado pela Secretaria de Habitação, foi encaminhado à Casa Civil sugerindo a redução de dez para dois anos no tempo de emissão da escritura do lote. Isso porque foi constatado que a maioria dos beneficiários repassa

os terrenos para outras pessoas e quando sai o documento é em nome de outra pessoa. Com isso, força a emissão de um novo documento gerando mais gastos ao GDF, que arca com o ônus dos processos.

De acordo com o secretário de Habitação, Paulo Roriz, a idéia é desburocratizar todo o trâmite que envolve a legalização e também acabar com a farra dos lotes no DF com regras mais firmes. “Queremos com essa medida buscar a legalidade de todo esse processo, coibir a venda ilegal de terrenos, reduzir custos na emissão dos documentos e facilitar a vida dessas pessoas”, explica.  A meta, segundo o secretário, era de entregar 70 mil lotes até o próximo ano, mas ele não crê que isso seja possível por conta da dificuldade de legalização.  

Segundo levantamento da Secretaria de Habitação 50% dos 150 mil lotes já entregues pelo programa habitacional ainda estão na irregularidade. Embora as notificações aconteçam, a maior parte dos moradores não dão importância ao fato. Só para ter uma idéia, desde 2006, 172 terrenos foram passados adiante sem escritura e destes 131 já comprovaram a aquisição dos lotes por meio de provas. “O que dá posse é a escritura. Morar apenas não dá direito àquele espaço”, afirma Paulo Roriz.

A Casa Civil irá emitir um parecer técnico e depois o governo deve mandar à Câmara Legislativa um projeto de lei de mudança da Lei Orgânica alterando os prazos de posse legal do imóvel e com isso a possibilidade de negociação dos mesmos. Outra medida é quanto ao repasse de informações como nomes e endereços de pessoas que receberam lotes de programas habitacionais do GDF aos cartórios. Com a posse desses dados os cartórios poderão recusar em dar a procuração de posse do imóvel.

Fonte : Tribuna do Brasil

{backbutton}

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sindicato da Habitação do DF assina acordo com entidade dos trabalhadores para manter empregos no setor

Com o objetivo de minimizar o avanço do novo coronavírus e tentar diminuir os impactos negativos no setor, além de visar a segurança jurídica do…

Secovi-DF orienta imobiliárias sobre o retorno às atividades

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) alerta os empresários do setor imobiliário sobre as medidas que devem ser adotadas nessa volta ao trabalho…

GUIA PRÁTICO DO CORRETOR DE IMÓVEIS DURANTE A PANDEMIA

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) divulga o “Guia Prático do Corretor de Imóveis” com ferramentas e formas de ajudar a todos do…

CAIXA amplia medidas para o mercado imobiliário durante pandemia

A Caixa Econômica Federal anunciou novas medidas de proteção e estímulo ao setor imobiliário injetando cerca de R$ 43 bilhões de recursos na economia que…