Informe Jurídico: Vendedor deverá devolver sinal de contrato de compra e venda de imóvel

  • 14 de setembro de 2017

A Assessoria Jurídica do Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) informa que a Juíza titular do 5º Juizado Especial Cível de Brasília condenou o vendedor de um imóvel a restituir à duas compradoras o sinal pago em contrato de compra e venda de imóvel, no valor de R$ 23.500.

As autoras pediram a condenação do réu ao pagamento do valor de R$ 23.500, a título de restituição do sinal pago em contrato de compra e venda de imóvel, e o pagamento de indenização por danos morais no valor de R$10 mil.

 

Para a Juíza, em nenhum momento houve desistência do negócio pelas compradoras, bem como as mesmas comunicavam o réu da dificuldade que estavam enfrentando na aprovação do financiamento imobiliário e que ele adotava uma postura compreensiva. Contudo, o vendedor decidiu desfazer o negócio sem qualquer notificação formal das autoras , apesar de haver cláusula contratual exigindo  tal interpelação, em total violação ao dever de boa-fé que deve permear as relações contratuais, nos termos do art. 113, do Código Civil.

A Magistrada ressaltou que a notificação de terceiros não implica no cumprimento do dever imposto no contrato firmado entre as partes, muito menos exime o réu do dever de manter a boa-fé nas relações contratuais. Desse modo, observou que houve verdadeira rescisão do contrato pelas partes, ante o desinteresse do réu em manter o contrato e sua postura contraditória, bem como ante a dificuldade enfrentada pelas autoras para o cumprimento do prazo de financiamento exigido.

Portanto, no entendimento da julgadora, a restituição das partes é medida que se impõe com a devolução, pelo réu, do valor remanescente do sinal pago pelas autoras, de R$ 23.500.

Quanto ao pedido de indenização por danos morais, a Magistrada explicou que o dano moral capaz de gerar reparação pecuniária é aquele que viola direito da personalidade, atingindo o sentimento de dignidade da vítima, tais como: a honra, a vida, a integridade física e psicológica. Em análise, observou que a mera retenção indevida, não causa lesão a direito de personalidade, mas apenas mero aborrecimento, de modo que não há que se falar em indenização por danos morais.

Com informações da Assessoria Jurídica – SECOVI/DF

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REGIÕES DO DF TÊM VALORES DIFERENCIADOS DO METRO QUADRADO PARA IMÓVEIS USADOS

O Boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de fevereiro, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) aponta que um apartamento de 1…

FEVEREIRO REGISTRA RECORDE DE 3.8 BILHÕES EM VENDAS DE IMÓVEIS

Em 2022, o Volume Geral de Vendas (VGV) de imóveis acumulado até o mês de fevereiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R$ 7,03…

SECOVI/DF CELEBRA POSSE DA NOVA DIRETORIA

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (SECOVI/DF) promoveu um almoço de confraternização para…

VENDA DE IMÓVEIS EM JANEIRO DE 2022 DOBRA EM RELAÇÃO À 2021

O Volume Geral de Vendas (VGV) acumulado até o mês de janeiro, no Distrito Federal, atingiu o valor de R $3,16 bilhões, superando o mês…