Sudoeste de Brasília tem o m² mais caro do DF

Valor médio do metro quadrado na região supera R$ 9 mil, aponta pesquisa do Secovi-DF

Distrito Federal – De acordo com o Boletim de Conjuntura Imobiliaria referente ao mês de agosto (2011), divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (Secovi-DF), Brasília detém os maiores valores absolutos para todas as classes de imóveis residenciais destinados à venda, com os preços variando de R$ 230 mil, para quitinetes, a R$ 2 milhões, para casas com quatro ou mais dormitorios. O Cruzeiro e o Guará destacam-se, com alternância, nas posições intermediárias entre Brasília e as demais cidades.

Na amostra de agosto coletada pelo Boletim, o Sudoeste apresentou o metro quadrado mais caro de Brasília, variando acima dos R$ 9 mil, com a exceção de quitinetes e apartamentos com um dormitório, cujos valores mais elevados foram verificados na Asa Sul, ultrapassando os R$ 10 mil.

Na análise de imóveis comerciais, por bairro, em Brasília a Asa Sul apresentou o maior valor absoluto para o segmento de lojas – R$ 800 mil, enquanto para as salas comerciais da Asa Norte o maior preço absoluto foi 50% menor do que aquele.

Em relaçao aos imóveis residenciais destinados a locação, Brasília apresentou em agosto o aluguel mais elevado em todas as categorias abordadas sob a ótica dos valores absolutos, variando de R$ 950, para quitinetes, a R$ 4,5 mil, para apartamentos com quatro dormitórios.

Para os imóveis comerciais, destacam-se os aluguéis de salas e lojas em Águas Claras e Brasília, que em agosto (2011) variaram entre R$ 1,25 mil a R$ 5 mil, respectivamente. No periodo de seis meses, a pesquisa verificou a estabilidade nos valores do metro quadrado para venda de quitinetes em Águas Claras, porém, apurou que os apartamentos com dois e três dormitórios seguiram uma tendência de alta.

No Guará, os valores de comercialização de apartamentos seguiram sem grandes variações, enquanto as casas apresentaram leve aumento nos preços. Em Brasília, os preços de apartamentos com dois e três dormitórios e das quitinetes seguiram com preços convergentes e metros quadrados valorizados.

No mercado de locaçao, as séries históricas mostram a estabilidade em quase todas as cidades analisadas, sendo que apenas no Guará os valores por m2 dos aluguéis apresentaram valorização para apartamentos com dois e três dormitórios. Em Brasília, a única alteraçao foi verificada em casas com três dormitórios, que valorizaram em relação ao mês anterior (julho, 2011). O valor dos aluguéis de imóveis comerciais também nao apresentou grandes oscilacões no periodo de seis meses.

Fonte: Exame.com

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NOTA DE PESAR – ALBERTO FERNANDES 1931-2020

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) informa com imenso pesar o falecimento de Alberto Fernandes, diretor fundador do Secovi DF, ocorrido ontem (02/08),…

ARRECADAÇÃO DO ITBI SOBE MAIS DE 50% EM JUNHO

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) comemora o aumento no número de vendas de imóveis no mês de junho, conforme os dados divulgados pela…

Testes rápidos e máscaras são oferecidos às empresas associadas ao SECOVI/DF

As empresas associadas ao Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) contam com testes rápidos de detecção de anticorpos da COVID-19 e máscaras de proteção.…

Setor imobiliário ensaia recuperação; clientes aproveitam taxas baixas

Com o início da pandemia do novo coronavírus no Brasil e as medidas de isolamento social adotadas, diversos setores comerciais foram impactados. Um deles é…