Solução à falta de imóveis é o retrofit

Tal como a maioria dos edifícios considerados modernos no Rio, o Torre Almirante é fruto de um retrofit – restauração e modernização de um edifício antigo. É uma solução para lidar com a
falta de terrenos na cidade, avalia a gerente de pesquisa da Jones Lang LaSalle, Lilian Feng.
Ainda esse ano, serão finalizadas as renovações de três prédios: o Standard Building, no Aterro do Flamengo, o Centro Empresarial Cinelândia e os edifícios Nilomex e Castelo, no Centro. E, dos imóveis comerciais existentes no Rio, apenas 1% está vago, estima o diretor-geral da Colliers no Brasil, Ricardo Betancourt. Isso corresponde a um prédio, ou pouco mais de 30 mil metros quadrados. Em São Paulo, a taxa é de 5,16%. Em um mercado equilibrado, a taxa estaria entre 8% e 9% – diz.
Uma conseqüência disso é o aumento do valor dos aluguéis, de R$44,28 o metro quadrado no
fim de 2006 para R$48,73 no meio deste ano. O acréscimo, de 10,05%, fica bem acima da inflação medida pelo IGP-M no período, de 1,46%.
Para Betancourt, nesse cenário dificilmente haverá queda de preços no Rio antes de 2012. A cidade, no entanto, deve ganhar 114.304 metros quadrados para empresas neste ano e 123.380 metros quadrados no próximo, segundo a Colliers. No primeiro semestre, foram criados 25.832 metros quadrados.
Segundo a CB Richard Ellis (CBRE), de 2000 a 2006, em média, surgiram apenas 10.700 metros quadrados por ano para empresas.
– A demanda por espaços de qualidade está enorme – diz Alberto Robalinho, diretor regional da consultoria americana.
Diante da falta de terrenos e imóveis, uma alternativa tem sido a migração para a Barra da
Tijuca. Pelos cálculos da CBRE, mais da metade (53%) dos imóveis corporativos dos últimos
sete anos surgiram no bairro. Além disso, dos 16 edifícios previstos até 2008, 13 serão na Barra
e três no Centro, segundo a Colliers. Entre os do Centro, será inaugurada uma das duas torres do Ventura Corporate Towers, na Avenida Chile, e um prédio na Cidade Nova a ser ocupado pela Universidade Petrobras, centro de capacitação de funcionários da empresa.
Na Barra são esperados quatro blocos do complexo ION – um a ser ocupado pela programadora Globosat em 2008 -, além do Cosmopolitan Soft Space, do Rio Office Park 8 e do Le Monde, com sete prédios. No bairro, já estão TIM, Vivo, Nokia, Siemens, Esso e Shell. A migração das empresas, nos anos 1990, seria conseqüência da migração residencial de executivos para a região, nos anos 1980.
A concentração de lançamentos deve tornar o bairro o segundo colocado em imóveis
corporativos em 2008, estima a Colliers. Hoje, a posição é de Botafogo, com 385.966 metros
quadrados, enquanto a Barra tem 316.620 dos 3.764.081 metros quadrados construídos na
cidade. O Centro lidera, com 2.811.377 metros quadrados, em uso ou não.
Lilian, da Jones Lang LaSalle, avalia que mudar para a Barra só se justifica para empresas
grandes. Pelas demais, o Centro continuará procurado, pela proximidade de metrô, aeroporto e de muitos clientes. Embora grandes empresas tenham atraído também prestadoras menores para a Barra.
Segundo a executiva, o Rio tem 13 edifícios de alto padrão, sete na Barra. Mas, lembra, para
classificar um empreendimento no Rio como tal, os critérios são menos rígidos que em São
Paulo.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sindicato da Habitação do DF assina acordo com entidade dos trabalhadores para manter empregos no setor

Com o objetivo de minimizar o avanço do novo coronavírus e tentar diminuir os impactos negativos no setor, além de visar a segurança jurídica do…

Secovi-DF orienta imobiliárias sobre o retorno às atividades

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) alerta os empresários do setor imobiliário sobre as medidas que devem ser adotadas nessa volta ao trabalho…

GUIA PRÁTICO DO CORRETOR DE IMÓVEIS DURANTE A PANDEMIA

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) divulga o “Guia Prático do Corretor de Imóveis” com ferramentas e formas de ajudar a todos do…

CAIXA amplia medidas para o mercado imobiliário durante pandemia

A Caixa Econômica Federal anunciou novas medidas de proteção e estímulo ao setor imobiliário injetando cerca de R$ 43 bilhões de recursos na economia que…