Setor tem bom desempenho

Queda na taxa de juros criou cenário propício em dezembro

A análise dos indicadores de atividade econômica, referentes ao mês de dezembro de 2011, do Boletim de Conjuntura Imobiliária, divulgados pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (Secovi/DF), mostra uma melhora generalizada das expectativas com destaque para a indústria, cujos índices de confi ança apresentavam tendência decrescente desde 2010, subindo para 83,4%. Esta boa perspectiva refl ete o nível historicamente baixo de desocupação e a tendência decrescente da taxa básica de juros; criando um cenário propício ao aquecimento do consumo e produção. Em dezembro, houve desaceleração do IGP-DI e INCC com destaque para o IGP-M, cujo resultado passou de 0,50% para -0,12%. Neste mês, a base monetária teve sua maior expansão do ano, mantendo a tendência crescente observada nos últimos meses ao atingir o patamar de R$205,977 bilhões.

As quitinetes em Águas Claras (foto) continuaram com a maior rentabilidade do setor e fecharam o mês de dezembro em 0,47%. Em seguida, aparecem os apartamentos de 1 e de 2 dormitórios. Para um imóvel de um quarto que tem o preço de comercialização médio de R$ 200 mil na cidade, o investidor terá um rendimento de R$10.441,84 ao decorrer de um ano, por exemplo. Na comparação por perfis de imóveis nas cidades analisadas, Brasília se mantém como destaque em relação a preços absolutos em todos os segmentos. Cruzeiro e Guará seguem também valorizados ocupando o segundo e terceiro lugar em preços absolutos, com destaque para casas de três ou mais dormitórios no Cruzeiro, que apresenta o maior preço por metro quadrado do DistritoFederal, variando de R$ 3.978 a R$ 5.539. Em relação aos imóveis comerciais, o Setor de Indústrias e Abastecimento (SIA) aparece com o metro quadrado mais caro em lojas de R 10.323. Já em valores absolutos, os preços mais altos são os de Águas Claras, Brasília e Samambaia em lojas e salas comerciais, respectivamente. Uma loja em Samambaia, por exemplo, custa em média R$ 400 mil.  Em relação ao mercado locatício, a pesquisa mostra que Brasília é a localidade com o maior nível de preços de aluguéis, variando de R$ 1 mil a R$ 11.518, entre quitinetes e casas com quatro ou mais dormitórios. As cidades de Águas Claras, Cruzeiro e Guará aparecem como os outros destaques.

Fonte: Jornal Alô Brasília
Data: 12/02/12

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Setor imobiliário ensaia recuperação; clientes aproveitam taxas baixas

Com o início da pandemia do novo coronavírus no Brasil e as medidas de isolamento social adotadas, diversos setores comerciais foram impactados. Um deles é…

MERCADO IMOBILIÁRIO JÁ MOSTRA RECUPERAÇÃO EM MEIO À PANDEMIA

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) está otimista e já vislumbra a recuperação do mercado imobiliário mesmo em meio à pandemia. Com base…

Vetado PL que previa o abatimento de alugueis de imóveis comerciais

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) comemora o veto feito pelo governador do DF, Ibaneis Rocha, ao Projeto de Lei 1035/2020 que assegurava…

Sindicato da Habitação do DF assina acordo com entidade dos trabalhadores para manter empregos no setor

Com o objetivo de minimizar o avanço do novo coronavírus e tentar diminuir os impactos negativos no setor, além de visar a segurança jurídica do…