SECOVI/DF DIVULGA DADOS DE JUNHO DO SETOR IMOBILIÁRIO

O Boletim de Conjuntura Imobiliária divulgado, mensalmente, pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) constatou que a expansão no Setor Financeiro Habitacional, entre o volume de crédito e o crédito total desde janeiro, se estabilizou em junho no patamar de 15,70%. Da mesma forma ocorreu com a relação entre o crédito no setor habitacional e o PIB, o qual apresenta crescimento desde o início do ano, registrando 8,81%  no mês analisado.

O número de amostra do mês de junho  manteve-se em  34.852. Desse total, 26.763 foram de imóveis destinados à comercialização e 8.089, imóveis para locação.

As cidades de Brasília e Águas Claras seguem, proeminentes, com os imóveis mais valorizados tanto para comercialização quanto para locação. O Setor de Indústrias também apresentou valorizações consideráveis, destaque também para os valores das casas de 4 dormitórios no Lago Sul, de 2 milhões e 500 mil reais.

Em relação ao m², é importante ressaltar os apartamentos de 2 dormitórios na Asa Norte com valores de  R$ 8.905 e no Sudoeste de apartamentos com 3 dormitórios de R$ 9.875, além da Asa Sul que apresentou o maior valor de m² para apartamentos de 1 dormitório de R$ 11.633.

No que diz respeito aos imóveis comerciais, o Setor de Indústria possui os maiores valores medianos e de metro quadrado para a categoria de lojas, de 1 milhão e 408 mil reais e R$ 11.074, respectivamente. Em relação às salas comerciais, a cidade  também apresenta a maior valorização no preço mediano, de 389 mil reais. No entanto, o m² mais alto, para esse tipo de imóvel, foi verificado em  Brasília de R$ 10.617.

Em relação aos imóveis comerciais dos bairros de Brasília, especialmente as lojas, o valor mediano mais alto é o da Asa Sul de 960 mil reais. Já no que diz respeito as salas comerciais, a Asa Norte apresenta o m² mais caro R$ 11.053, esse valor é seguido pelo Lago Norte e Asa Sul, com R$ 10.600 e R$10.317, respectivamente.

Os imóveis residenciais destinados à locação totalizaram 68,5% da amostra, enquanto que os imóveis comerciais representaram 31,5%.

Entre os preços do m² para alugueis, Brasília apresentou o maior valor e as cidades-satélites ficaram com os menores patamares. Para quitinetes, de R$ 36,00, seguida por Águas Claras e Guará, com R$ 24,00 e R$ 23,00, respectivamente. Quanto às casas com 4 dormitórios, destaque para o Lago Sul que apresentou um  aluguel de 10 mil reais.

Para os imóveis comerciais para locação, o Setor de Indústria segue, evidenciando, o maior valor mediano para lojas, de R$ 5.200. Na mediana do aluguel por m² para salas comerciais, Águas Claras e Brasília aparecem em primeiro lugar, ambas com R$ 40/m².

Baixe o boletim

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

SECOVI/DF informa: MPT confirma benefícios somente para associados

A Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região sob a égide da Lei 13.467/2017, a nova legislação trabalhista, confirma que benefícios como: vale-alimentação, vale-transporte, Participação…

ITBI TEM ALTA DE 70,8% EM OUTUBRO NA VENDA DE IMÓVEIS NO DF

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) informa que o mercado imobiliário segue em contínua alta, mesmo em época de pandemia, registrando uma variação…

SECOVI/DF – NOTA DE FALECIMENTO

É com imenso pesar que o Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) comunica o falecimento de Pablo Balduíno de Magalhães, sócio-diretor da Imobiliária Atendeu,…

CONPLAN APROVA REVISÃO DA LUOS

O Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do DF (Conplan) aprovou, por unanimidade, a minuta do projeto de lei complementar de revisão da Lei de…