Nova Lei do Inquilinato começa a valer em janeiro

Com as mudanças vai ficar mais fácil despejar os maus pagadores. Este é um dos temas do quadro direito do cidadão desta terça-feira.

As novas regras vão mudar a vida de 30% da população do Distrito Federal, ou seja, da parcela que moram de aluguel. O inquilino que quiser mudar antes do fim do contrato vai pagar multa proporcional ao tempo que resta. Até então, cada contrato tinha uma regra.

Quem atrasar o aluguel tem 15 dias para quitar a dívida, depois de notificado. Se não pagar, assim que o juiz achar procedente a ação de despejo o inquilino terá um mês para deixar o imóvel. Antes, durava cerca de 14 meses.

A lei também traz mudanças para o fiador. Ele vai poder desistir do contrato antes do vencimento. No entanto, vai ter que avisar ao inquilino e ao locador com 120 dias de antecedência. Tempo para que o locatário encontre outra garantia. O fiador também não é mais obrigado a ficar no contrato, no caso de renovação automática.

“Em Brasília, que chega muita gente nova na cidade e tem dificuldade de encontrar o fiador, agora fica muito mais fácil. Ele sabe o compromisso certo que vai ter durante aquele período”, diz o presidente do Sindicato da Habitação do DF, Miguel Setembrino.

 
Aline Barcellos / Luis Ródnei 
Fonte: Bom  Dia DF

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sindicato da Habitação do DF assina acordo com entidade dos trabalhadores para manter empregos no setor

Com o objetivo de minimizar o avanço do novo coronavírus e tentar diminuir os impactos negativos no setor, além de visar a segurança jurídica do…

Secovi-DF orienta imobiliárias sobre o retorno às atividades

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) alerta os empresários do setor imobiliário sobre as medidas que devem ser adotadas nessa volta ao trabalho…

GUIA PRÁTICO DO CORRETOR DE IMÓVEIS DURANTE A PANDEMIA

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) divulga o “Guia Prático do Corretor de Imóveis” com ferramentas e formas de ajudar a todos do…

CAIXA amplia medidas para o mercado imobiliário durante pandemia

A Caixa Econômica Federal anunciou novas medidas de proteção e estímulo ao setor imobiliário injetando cerca de R$ 43 bilhões de recursos na economia que…