MERCADO IMOBILIÁRIO BRASILIENSE CONTINUA EM ALTA

O novo boletim de Conjuntura Imobiliária, referente ao mês de maio, divulgado pelo Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) e elaborado pela Econsult (empresa júnior do departamento de economia da Universidade de Brasília) continua demonstrando a alta no mercado brasiliense.
 
A amostra analisou 18.062 imóveis residenciais e comerciais destinados à comercialização, Brasília registrou os maiores valores em apartamentos de 2 e 3 dormitórios variando de 530 a 860 mil reais (valor mediano), respectivamente. Em seguida aparecem as cidades de Águas Claras, Cruzeiro e Guará.
Nas outras cidades, os preços são menores e mais homogêneos, como é o caso dos apartamentos de 3 dormitórios em Ceilândia, Núcleo Bandeirante e Samambaia, cujos valores medianos ficaram em torno de 200 mil reais.

Em relação às casas, o preço é bem oscilante entre as cidades devido a sua localização e a quantidade de condomínios existentes. Por exemplo, uma casa de 4 ou mais dormitórios em Brasília custa o equivalente a 2 milhões de reais, já em um condomínio na cidade esse valor cai para 1 milhão.
As salas comerciais em Brasília apresentaram um valor maior no preço do metro quadrado, merecendo destaque para a Asa Norte que registrou um valor de 10 mil reais.
Os imóveis destinados à locação analisados pela amostra quando comparados aos de comercialização, nota-se um maior dinamismo no setor que conta com preços variados, porém próximos, ao contrário dos imóveis à venda.
A cidade de Taguatinga apresentou os valores mais próximos entre aluguéis de apartamentos de 2 e 3 dormitórios entre 838 e 875 reais, respectivamente.
Avaliando a locação de imóveis comerciais em Brasília, o aluguel mais caro de lojas na cidade está na Asa Sul no valor de 7 mil reais. Já, as salas comerciais na Asa Norte registraram um aluguel de 2 mil reais. 
Por fim, em relação ao índice de rentabilidade imobiliário que mede o rendimento obtido por meio da locação de imóveis nas diferentes cidades do Distrito Federal. Águas Claras mantém-se como a cidade mais rentável do DF. Podemos citar, portanto, que tendo por 174 mil reais o preço de comercialização de um apartamento de 1 dormitório nessa cidade, ao longo de um ano, o investidor teria, com a taxa apresentada, um rendimento de mais de 9 mil reais referente a um percentual de 0,46%.
Este novo boletim traz uma série histórica, de dezembro a maio, com o objetivo de contextualizar os dados para que seja possível visualizar sua trajetória, e assim, destacar as tendências do mercado.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Setor imobiliário ensaia recuperação; clientes aproveitam taxas baixas

Com o início da pandemia do novo coronavírus no Brasil e as medidas de isolamento social adotadas, diversos setores comerciais foram impactados. Um deles é…

MERCADO IMOBILIÁRIO JÁ MOSTRA RECUPERAÇÃO EM MEIO À PANDEMIA

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) está otimista e já vislumbra a recuperação do mercado imobiliário mesmo em meio à pandemia. Com base…

Vetado PL que previa o abatimento de alugueis de imóveis comerciais

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) comemora o veto feito pelo governador do DF, Ibaneis Rocha, ao Projeto de Lei 1035/2020 que assegurava…

Sindicato da Habitação do DF assina acordo com entidade dos trabalhadores para manter empregos no setor

Com o objetivo de minimizar o avanço do novo coronavírus e tentar diminuir os impactos negativos no setor, além de visar a segurança jurídica do…