AO VENDER, PROCURE FIXAR O PREÇO CORRETO DE SEU IMÓVEL

Por Phelipe Ranzolin Nerbass e Daniella Caminha 
Com o mercado imobiliário fervilhante e os preços oscilando é muito comum a avaliação errada do imóvel. Muitas vezes o proprietário ficou sabendo que um imóvel que estava anunciado por um valor X no seu condomínio foi vendido. A conclusão lógica é que “se estava anunciado por X e foi vendido, então o meu vale mais que X pois já faz alguns meses que vendeu“.Na verdade é difícil saber por quanto realmente o imóvel que estava anunciado foi vendido. Outro ponto importante é que as pessoas não tem em sua memória o tempo que o imóvel demorou para ser vendido e tão pouco a forma de pagamento negociada.É bem verdade também que qualquer um pode pedir o quanto quiser por seu imóvel.

E, é até natural querer pedir o máximo possível, pois se trata de patrimônio e todos querem maximizar seus ganhos. Entretanto não adianta fixar o preço lá em cima se no final das contas não tiver comprador que o pague. Pois o comprador também tem o mesmo interesse em maximizar o seu recurso comprando por um preço justo. E se o objetivo é vender,  e demorar, o imóvel parado que não vende gera custos e faz com que o proprietário perca bons negócios ao longo dos meses.Importante saber que o preço certo para um imóvel é aquele que o mercado está disposto a pagar.
Portanto, quem determina o preço no fim das contas é o comprador e o mercado em si. Por isso, ao solicitar uma imobiliária capacitada para avaliar o seu imóvel, tenha o cuidado de observar com base em quais fatores ela faz tal avaliação. Algumas imobiliárias simplesmente acatam o preço que o proprietário quer gerando uma falsa expectativa de venda sem orientá-lo adequadamente. Isto acontece pela falta de preparo dos profissionais em apresentar argumentos, informações corretas, análise detalhada de mercado, diagnóstico correto para uma precificação adequada.Quando o profissional avaliador não detém estas informações isto gerará perda de meses tentando vender um imóvel sem sucesso por estar acima da faixa de mercado.

A precificação de um imóvel não é assim tão simples quanto apenas supor um valor emocional do proprietário para seu bem – diga-se de passagem, a precificação não pode ser nada emocional. Ou mesmo julgar que, devido às altas dos últimos anos, qualquer valor vende. Isso não ocorre!O processo de precificação envolve análise profunda de muitos fatores técnicos de mercado tais como: imóveis concorrentes, dados de imóveis vendidos recentemente, análise de documentação do imóvel (certidões, etc), necessidade de velocidade de venda do proprietário, condições do condomínio, localização, etc, bem como uma enorme gama de variáveis.Uma coisa é certa: imóveis bem precificados vendem rapidamente e garantem tanto ao vendedor quanto ao comprador a sensação de bom negócio! Portanto, seja criterioso ao contratar uma imobiliária para precificar o seu imóvel. Cerque-se de bons profissionais que lhe dêem fundamentos na argumentação, e duvide daqueles que simplesmente acatem o preço que você pediu.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sindicato da Habitação do DF assina acordo com entidade dos trabalhadores para manter empregos no setor

Com o objetivo de minimizar o avanço do novo coronavírus e tentar diminuir os impactos negativos no setor, além de visar a segurança jurídica do…

Secovi-DF orienta imobiliárias sobre o retorno às atividades

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) alerta os empresários do setor imobiliário sobre as medidas que devem ser adotadas nessa volta ao trabalho…

GUIA PRÁTICO DO CORRETOR DE IMÓVEIS DURANTE A PANDEMIA

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) divulga o “Guia Prático do Corretor de Imóveis” com ferramentas e formas de ajudar a todos do…

CAIXA amplia medidas para o mercado imobiliário durante pandemia

A Caixa Econômica Federal anunciou novas medidas de proteção e estímulo ao setor imobiliário injetando cerca de R$ 43 bilhões de recursos na economia que…