Aluguéis altos no Distrito Federal

Dados do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), mostram que o Distrito Federal tem o aluguel mais caro do país. Os locatários comprometem até 11% do salário com essa despesa, enquanto no restante do país a média é de 7,31%.

O motivo, segundo analistas, é que sobram interessados em ser inquilinos e faltam imóveis para alugar.
 O estudante José Antônio Fagundes morava em Goiânia e teve que se mudar para Brasília para fazer faculdade, mas levou um susto na hora de alugar um imóvel. A alternativa foi dividir o apartamento de um quarto com um amigo.

De acordo com o SECOVI/DF que representa as empresas de administração de imóveis, o alto preço dos alugueis está ligado a dois fatores. A demanda maior que a oferta e a supervalorização dos imóveis. Para se ter uma idéia, enquanto a inflação do ano passado foi de quase 6%, a média de valorização de casas e apartamentos no DF chegou a 15%.

Em alguns casos, a valorização foi bem superior a isso e elevou ainda mais o preço do aluguel, normalmente 0,3% ou 0,4% do valor do imóvel. “As pessoas consideram o preço alto, mas, na verdade, não é, porque o mínimo desejável é 0,5% do valor do imóvel”, informa o presidente do Sindicato, Miguel Setembrino.

Fonte: Bom Dia DF

 

{backbutton}

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sindicato da Habitação do DF assina acordo com entidade dos trabalhadores para manter empregos no setor

Com o objetivo de minimizar o avanço do novo coronavírus e tentar diminuir os impactos negativos no setor, além de visar a segurança jurídica do…

Secovi-DF orienta imobiliárias sobre o retorno às atividades

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) alerta os empresários do setor imobiliário sobre as medidas que devem ser adotadas nessa volta ao trabalho…

GUIA PRÁTICO DO CORRETOR DE IMÓVEIS DURANTE A PANDEMIA

O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) divulga o “Guia Prático do Corretor de Imóveis” com ferramentas e formas de ajudar a todos do…

CAIXA amplia medidas para o mercado imobiliário durante pandemia

A Caixa Econômica Federal anunciou novas medidas de proteção e estímulo ao setor imobiliário injetando cerca de R$ 43 bilhões de recursos na economia que…